quarta-feira, 6 de junho de 2012

Síndrome de Cirilo / Cirilo’s Syndrome

Há alguns dias o SBT começou a transmitir uma nova versão da novela Carrossel, uma novelinha mexicana que fez muito sucesso quando eu era criança e que tem entre uma de suas principais atrações a paixão de um garotinho negro por uma garotinha branca e o desprezo da mesma por sua condição social e por sua raça.
Na trama original Cirilo sofre todo o tipo de humilhação enquanto tenta desesperadamente chamar a atenção de Maria Joaquina  e  a mesma responde com agressividade a até mesmo violência fazendo do garoto mais uma vítima do famoso bullying.
Fiquei muito triste ao ler uma matéria onde a autora (que por sinal é esposa do dono da emissora) que fez esta versão brasileira da novela, dizer que iria manter todas as cenas de racismo, pois queria ser fiel ao original e porque acreditava que essa seria uma forma de mostrar um problema real no Brasil.
Na mesma hora me perguntei como a humilhação de um garoto negro em horário nobre na televisão, sem que haja nenhum tipo de reação por parte do mesmo poderia ajudar no combate ao racismo?
Mais triste fiquei ainda em ver meus pequenos sobrinhos assistindo a novela, mas como não há nada que eu pudesse fazer, para que meus gritos de protesto fossem ouvidos, comecei a pensar no assunto.
Pensei em quando assisti a primeira versão da novela o quanto sofria com as injustiças cometidas pela menina e com o sofrimento de Cirilo.
Pensei na alegria que sentimos quando Cirilo ganhou um carro motorizado preto como ele em uma rifa e disputou uma corrida com o menino considerado lindo na história, que era rico e tinha um carro motorizado branco como ele. (Na história Maria Joaquina era apaixonada pelo menino branco e fazia questão de mostrar a Cirilo como ela e o outro menino eram iguais e portanto superiores a Cirilo) Era como se todos nós estivéssemos ganhando também.
Pensei em todos os meninos negros que receberam o apelido de Cirilo em suas escolas durante a época da novela.
E comecei a pensar se isso não ajudou a desenvolver nos meninos de minha geração (hoje homens na faixa dos 30 anos), a síndrome de Cirilo.
O que trato aqui como Síndrome de Cirilo, é a necessidade que alguns meninos têm de aceitar ser tratado com inferioridade quando esse tipo de tratamento parte de uma mulher branca.
Jamais vou julgar relacionamentos interpessoais, afinal eu não mando no coração das pessoas, mas já vi muitos homens negros serem humilhados e aceitarem essa humilhação com resignação apenas por desejarem ter uma mulher branca ao seu lado.
Me questiono se o comportamento exibido por essa novelinha “inocente”, não pode ter ajudado a formar a mente resignada de muitos homens negros, que aceitam ser chamados de macaco por suas namoradas como se esse fosse um apelidinho carinhoso.
Me pergunto se em nossa sociedade onde o mito da democracia racial continua operando sua lavagem cerebral tão bem sucedida, onde o maior problema do negro é sua própria identidade mal formada ou falta de identidade, não é um desserviço criar mais uma geração vítimas dessa síndrome que só gera baixa autoestima.
Infelizmente para hoje não tenho respostas só perguntas, mas gostaria muito que o movimento negro se movimentasse para exigir que essa senhora que está adaptando a novela a realidade brasileira, ao menos crie um final onde haja algum tipo de reflexão e  mostre o horror do racismo em nossa sociedade.


There are few days the SBT (a Brazilian TV Channel) started to show a new version of the mexican soap opera Carrossel, that was a success when I was a kid and had as one of its main attraction the passion of a black little boy for a white little girl and her despise because of his social situation and his race.
In the original story Cirilo suffer with all kinds of humiliation while he desperately tries to get Maria Joaquina attention and she answer in an aggressive way including violence making the boy suffer bullying.
I became really sad when I read an article where the writer  (who is married with the owner of the TV channel) of the new version of the soap opera, said that she would keep all the racism’ scenes, because she would like to be faithful to the original version and because she believed it would help to show a real problem in Brazil.
At the same moment I wondered how to show a little black boy humiliation on TV in the prime Time without show any kind of reaction from him can help to combat racism?
I became sadder when I saw that my lil nephew and niece were watching the soap opera, but because I couldn’t do anything to make my protests about this listenable, I started to wonder about the subject.
I thought about the time when I watch the first version of the soap opera and how I suffered with the injustice committed by the girl and with Cirilo’s suffering.
I thought about how happy we felt when Cirilo won a motorized car, black like him, in a lottery and had a race with a boy considered handsome in the history, who was  rich and had a motorized car white like him. (In the story Maria Joaquina was in love with the white boy and insisted in to show to Cirilo how she and the other boy were equal and superior to Cirilo). It was as if we were had won with him.
I thought about all the boys that received the nickname Cirilo on their schools during that time.
And I started to wonder if it didn’t help to develop on the boys of my generation (nowadays men who has 30 years old approximately), the Cirilo’ Syndrome. 
What I call here Cirilo’ Syndrome, is the necessity that some men have in accept be treated in an inferior way when this kind of treatment comes from a white woman.
I never will judge personal relationships, because I don’t control people’s heart, but I have seen many black men being humiliated and accept this humiliation resigned only because they wish have a white woman on their sides.
I ask to myself if the behavior showed on this “innocent” soap opera, couldn’t help to create the resigned mind of many black men, who accept be called monkey by their girlfriends as if it was a lovely nickname.
I wonder if in our society where the myth of the racial democracy keeps doing its well successful brain wash, where the black main problem is he/she own identity bad formed, or lack of identity, wouldn’t be a disservice to create another generation of victims of this syndrome that only can create low self-esteem.
Unfortunatelly I don’t have answers now, only questions, but I really would love if the black movement could start to protest to ask for this lady who is adapting the soap opera to Brazilian reality, to create an end that would have any kind of reflection and would show the horror of the racism in our society.

46 comentários:

  1. Não acompanhei a novela na primeira exibição. Sou de uma geração anterior a essa. Mas, vou ficar atenta a nova versão ou versão abrasileirada, pois, é de meu interesse pensar, refletir e construir junto com companheir@s negr@s e aliados elementos ativos no combate sistemático contra as desigualdades impostas pelo racismo.Parabéns Dani adorei a reflexão sou sua fã vc sabe disso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então Mari é sempre bom prestar atenção naquilo que está sendo transmitido na televisão, afinal a imagem que fazemos de nós mesmos é em grande parte construída pelo que é transmitido pela mídia. Obrigada pelo elogio, também te admiro muito. abços

      Excluir
  2. Complexo. Faz sentido o que postou, Daniela. Posso dizer que fui vítima dessa síndrome em certos casos, inclusive sendo apelidado de Cirilo. Posteriormente, entendi meu valor e nunca mais aceitei apelidos racistas ou pejorativos.
    Acredito que tudo dependerá do desenrolar da história. O pai da "Maria Joaquina" (e vários outros personagens) ensinam as crianças que assitem que a atitude dela é errada. Eu assisto com um de meus sobrinhos. Não lembro do final, mas "acho" que a Maria Joaquina se apaixonará pelo Cirilo e também deixará de ser racista e preconceituosa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Nando,
      Muito obrigada por estar aqui e partilhar sua história comigo. Fico muito feliz que vocÊ tenha conseguido superar esse tipo de resignação que nos é ensinada.
      Também torço para que o desenrolar da história seja diferente. Na primeira versão Maria Joaquina não se apaixonou por Cirilo, nada aconteceu com ela, acredito que em um episódio ela tenha ficado sem os amigos, mas apenas isso e infelizmente no último episódio da novela tinha uma cena onde todos os alunos corriam em um campo em direção a tão amada professora Helena, por alguma razão nessa cena Cirilo que é um dos personagens principais na novela simplesmente não aparece.
      Torço para que na nova versão os pais de Maria JOaquina mostrem para ela que no Brasil racismo é crime.

      Excluir
    2. Obrigado, Daniela. E tem gente que acredita que o racismo acabou no Brasil... Infelizmente os quilombos só mudaram de nome.
      Verdade, Daniela, eu não me lembrava mesmo do final da novela. Assisti no You Tube e foi como você descreveu mesmo. Lembrei da parte em que ela ficou sem amigos. Eu vou assistindo e me lembrando das cenas... ^_^
      Também estranhei o Cirilo não aparecer na cena final. "Pode" ter acontecido algo com o ator antes ou durante as gravações dessas cenas finais. "Pode" ser.
      Sobre sua torcida para que o fator crime do racismo seja mais do que enfocado na novela é algo realmente que precisa ser feito. Concordo plenamente contigo.
      Te mandei convite no Facebook.
      Parabéns pelo blog, Daniela! ^_^

      Excluir
    3. Nando, duvido muito que o algo tenha acontecido com o ator, o México é um dos países que nega sua afrodescendencia. Quanto a tratar racismo como crime, duvido muito, mas acredito que cabe a nós cobrarmos. abços e quanto ao FB já está aceito.

      Excluir
  3. Muito lúcida e embasada a sua reflexão, Daniela. Por preferência pessoal, não acompanho novelas desde a minha adolescência e sou sempre um leigo no assunto quando é preciso se argumentar sobre roteiros, sejam eles de quais emissoras forem. Baseado no que você publicou, entretanto, fica fácil constatar que nada mudou, desde que perdi o interesse por este tipo de atração (lá pelo meio da década de 70). Nós negros continuamos a ser tratados como pessoas de classe inferior nos enredos dos autores brancos. Quando eu era garoto nós eramos projetados como bandidos ou empregados subalternos, subservientes, submissos e engraçados. Um caminho: quando existir uma pessoa negra com capital o suficiente para bancar a produção de uma novela escrita, dirigida e produzida por negros e negras engajados e conscientes de sua herança cultural. Estamos longe desta realidade, mas enquanto nos propormos a assistir produções artísticas escritas por não negros, vai ser isso. Hoje, passados tantos anos, percebo que ter removido o acompanhamento de novelas, reality shows e afins, como forma de entretenimento televisivo não fez falta nenhuma na construção do meu caráter. Pelo contrário, mesmo que não intencionalmente isso só contribuiu para a blindagem de minha negritude. Abraços fraternos, Durval

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Durval,
      Obrigada por seu comentário. Eu também não assisto novelas há alguns anos, o que despertou minha atenção foi realmente o artigo de jornal e o desejo de minha sobrinha em assistir a novela.
      Mas ainda que não assista aos folhetins, sei bem que nossa imagem ainda não está refletida na mesma, pois como já disse Joelzito Araújo a televisão é a negação do Brasil.
      Eu realmente espero que nessa trama a autora possa refletir e mostrar um novo lado dessa situação para que outros tantos garotos negros sejam blindados e não sofram com a síndrome de Cirilo.

      Excluir
  4. Dani, excelente seu texto! Parabéns! Eu amei! O reflexo das novelas está aí em todos os segmentos da sociedade: na igreja, nas empresas, em todas as organizações.......... Eu tb estou muito triste com essa reprodução racista e agora, contextualizada de discriminação e preconceito à uma criança negra na novela Carrossel do SBT.... tb vi essa novela na minha infância, sem acompanhar todos os capítulos com afinco - afinal os mexicanos não me atraiam muito rsrsrs -, mas despertou a minha curiosidade esse remake quase 25 anos depois e não muito surpresa estou vendo as mesmas cenas de humilhação e bullyng....concordo que prestam um desserviço e tb estou ansiosa pra sequencia de cenas q vão exaltar o menino.... na verdade minha esperança é q entre uma pretinha linda q ele se apaixone e façam um casal de pretinhos lindos (hahahaha tô viajando muito???) Mas falando do mundo real, hj amiga, a minha preocupação são meus filhos.... tenho dois meninos pretinhos pequenos....e no que depender de mim jamais serão contaminados por esse tipo de síndrome, primeiro porque sou uma mãe leoa e insistentemente mostro pra eles o quanto o negro é lindo, que a mulher negra é linda, é princesa, é bonita...eu assumo, forço sim o gosto e preferência dos meus filhos desde a idade que tem (3 e 1 ano) para a pele negra!! Acredito que os pais que assistirem as cenas podem interferir contra essa síndrome e contra a influência da baixa autoestima infantil... abraços a todos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pati seus olhos e ouvidos tem que estar abertos pois a televisão é sim uma das grandes responsáveis por nossa falta de identidade. Acredito que mostrar aos seus filhos o quanto as meninas negras são lindas, não os fará necessariamente escolher uma delas no futuro, mas mostrará a eles que elas também são uma opção, tão bonitas e tão inteligentes quanto as meninas brancas.
      Quanto ao fato de aparecer uma menina negra na história, realmente duvido muito ahhahaha. bjoks

      Excluir
  5. I saw the novel and I must say that I was touched and recognized with Cirilo at the same time, I come from Chile a country where black are not considered as equal in fact our existence is not even relevant, so I suffered a lot by being the only black girl in the class among white and indigenous kids, so everytime I watched the novel I could see myself in the character, it was reflected in reality, but unfortunately showed the worse of racism in children and encouraged many to treat black people as Cirilo with nicknames or parts of the soap opera.
    Wonderful article!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thank you for share your experience Begonia. It is really important to me to know more about the reality of people in other countries in Latino America. It shows me that I wasn't crazy when I saw this novel and felt sad about how Cirilo was treated.
      I hope we can change more experiences and it can help us in the struggle against racism.

      Excluir
  6. interessante danielle, nos temos qu combater este tipo de racismo, combater a tal democracia racial, televisao em si,ass vezes e uma ferramenta que so propaga o que nao presta, todo tipo de merda e estereotipo, vem das grandes emissoras,e ate mesmo na america do norte e europa, qdo teve aquilo que passou em londres, tavam chamando os pretos de terroristas e etc,po estarem revoltados, jah os gringos acham que o brasil e um paraiso sexual e vem aqui pro brasil escapar as leis deles,acham que todas as brasileras se eles jogarem dolares,libras nas mao delas,elas vao abrir as pernas facilmente
    you know sister,the thing is the big media outlet and tv stations are responsible for spreading and promoting negative images of the blackrace,as thugs thieves,what not, in north amerika, they portray us as criminals, white ladies, cross the streets,jews are good at that,for that reason, i dont support inter racial marriage, and some people says it is ok, for me it is not ok,when somebody goes intoa family of red necks, set on their racist values,from the beggining of times,old western movies portrayed the whiteman as conquerors of the western world,saving defenceless white women from the africans,the savages,they never showed anything about themselves,but only bad things about africa,people being cooked in big pots and shit, for starters,i am not fun of television or like we say in north amerika,the tell lie a vision,because they only portray what they want, they are not going to show a black man taking care of his familya blackman working,etc, i do appreciate this text
    kweku

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Television is a tool for opressor, but mostly because we don't know how to make our voice be listened. Unfortunatelly in Brazil we aren't represented on TV and while people keep watching this shows they aren't going to change this situation.
      I don't talk against interracial marriage, what I talk is against people who have the necessity of get marry with a white person to feel better, feel more important and pretty.
      I hope the Black Movement in Brazil can fight to show another image to our kids.

      Excluir
  7. Querida, belíssimo artigo. Parabéns.
    Compartilho com você as mesmas indagações.
    Quando criança sofri muito com o Cirilo e hoje vejo meu filho de 4 anos me perguntando "por que a menina é mal pro Cirilo?"...
    É, está cada vez mais difícil educar, mas estou fazendo o meu melhor e transmitindo nossa cultura ao meu filho, de forma que ele tenha muito orgulho...
    Abraços,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Viviani, o problema não é a novela mostrar o sofrimento de Cirilo, mas sim que isso passe sem nenhum tipo de consequencia já que racismo no Brasil é crime inafiançável.
      Que tipo de mensagem estamos passando para nossas crianças? É com isso que me preocupo.

      Excluir
  8. Meu nome é TuwilÊ e faço parte do NEAB-VIÇOSA.
    Gostei muito de seu texto critico, e me deixou um tanto preocupado com os refelxo que este programa irá acarretar no cotidianos da juventude.
    Digo isto, que como foi dito acima, fui eu, um sujeito influenciado, também, por esta "Sindrome do Cirilo".Viu na escola o espaço de reprodução dessa, e a disseminação de atitudes racistas e discriminatórias.
    É realmente lamentável,mas sei que o movimento negro irá se organizar para que os erros de ontem, nao sejam os mesmo de hoje.
    abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Tuwilê, de alguma maneira todos de nossa geração foram influenciados pela síndrome de Cirilo, infelizmente a síndrome não foi criada pela novela, já fazia parte do imaginário brasileiro, afinal a realidade do racismo em outros países da Am. Latina não é tão diferente da realidade brasileira. Espero que hoje passados 20 anos, a voz daqueles que foram vítimas possa se fazer ouvir e a novela receba ao menos um desfecho melhor, para que a cabeça de nossas crianças não seja cauterizada mais uma vez.

      Excluir
  9. Dani parabéns pelo blog.
    Eu me recordo desta novela terrivel.
    O menino é humilhado constantemente pela garota e ridicularizado pelos demais personagens da trama, inclusive pela professora que se omite o tempo todo. A novela somente serviria para discutir a respeito da despeito que esta incrustrada em cada cena da novela. No contrário reapresentá-la só serve para infernizar novamente a vida nas escolas, das crianças negras desta faixa etária do personagem. Foi o que aconteceu e eu vi isto acontecer na primeira versão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Val,
      obrigada por responder.
      a novela em si é apenas mais um folhetim, uma versão infantil da malhação, o problema é que o caso de racismo presente não é tratado de maneira correta, não há diálogo em torno do tema, nem o combate do mesmo.

      Excluir
    2. Hi Dani, great story! I reposted your story on Afro-Europe

      Excluir
    3. Hi, thank you very much for help me to show it.

      Excluir
  10. Hi Dani, I agree that there should be some kind of response from a black, or anti-racism organisation, because children can't filter this type of racism. It's like they are exposed to nuclear radiation.

    But I can understand that it’s hard to protest against these images, because the majority of the Brazilians don’t regard it as racism.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hi Erik, about the discussion on your blog about the expression mulatto. I found a good image to show how it is offensive, but it is in portuguese. If you wanna give me your email and I'm going to send to you. If you wanna please also add me on fb.

      Excluir
  11. you are totally right Eric, most of Brazilians don't know they are black, what bring us back the identity issue. thanks for your comment

    ResponderExcluir
  12. Duvido que tenha acontecido algo ao ator Nando, infelizmente o México é um dos países que nega sua afrodescendencia. Quanto a enfocar o crime de racismo na novela duvido muito, mas acredito que nós temos que fazer essa cobrança. E quanto ao FB com certeza está mais do que aceito. Abços e mais uma vez obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, não tenho conhecimento histórico da afrodescendência dos mexicanos, Dani! Triste isso!
      Realmente temos que "policiar" o tema racismo nessa versão brasileira de Carrossel.
      ^_^

      Excluir
    2. Ah, não tenho conhecimento histórico da afrodescendência dos mexicanos, Dani! Triste isso!
      Realmente temos que "policiar" o tema racismo nessa versão brasileira de Carrossel.
      ^_^

      Excluir
    3. Pois é também não tinha Fernando, nós aqui no Brasil pouco sabemos sobre os movimentos afro latinos. Quanto a policiar é sempre necessário. Já fiquei sabendo que essa novela na vdd é argentina e teve uma primeira versão na década de 1960 desde então tem se propagado em vários países.

      Excluir
  13. Oi Dani, sou de uma geração anterior a sua e deixei de assistir novelas há muito tempo. A última, se me lembro bem, foi a Sucessora. Mas, minha opinião é a seguinte. Creio que o movimento negro deva se manifestar sim, em relação à nova versão da novela. Repetir alegando fidelidade ao texto é, no mínimo, desconsiderar toda a luta pela igualdade que a sociedade vem travando não só a respeito do racismo, mas também em relação ao reconhecimento de todos os grupos discriminados em nossa sociedade, os comportamentos em relação ao bullying, etc.
    Me parece que, o objetivo real dessa senhora é reforçar o pensamento racista nesses tempos em que a comunidade negra luta de forma mais intensa para ser integrada e reconhecida na sociedade brasileira.
    Sobre a novela, minha sugestão é que a tal Maria Joaquina deva sim ter uma lição em relação ao seu comportamento e que o Cirillo aprenda a olhar e reconhecer a beleza existentes nas meninas negras e escolha dentre elas uma que o faça feliz.

    ResponderExcluir
  14. É Marta, estratégia de marketing pura e simples essa conservação, volto a repetir o que disse na aula hoje, me recuso a acreditar que essas coisas são feitas de modo ingênuo, para mim tudo é intencional. Quanto a mudança no roteiro, não boto muita fé, ou ao surgimento de uma menina negra na escola, a única menina negra é a filha de Simony que nem sei se se define como tal. Mas acredito que nós temos que pressionar.

    ResponderExcluir
  15. Novela extremamente racista nos negros a tempos estamos lutando por igualdade, direitos e esta novela me faz rever e pensar que sou inferior e me faz pensar por que não nasci branco. nós no Brasil somos 60% devemos proclamar devemos mostrar que a nossa cor não é objetos de risos, audiência isto é inaceitável.

    Nossa cor deve ser tratada com respeito por que fomos nós que construímos esse pais, se for falar mal de alguma pessoa não fale pela sua cor ou raça, mas sim pela pessoa.
    O mercado de trabalho superior para o negro é difícil, por que os que dominam são os brancos com traços europeus e os negros são tratados como mão de obra, a criança que faz o Cirilo não entraria no sbt se o roteiro não pedisse uma criança negra.(que a mente desta criança não sofra).

    Obrigado pelo blog, soltei o que estava profundamente preso na minha garganta.

    ResponderExcluir
  16. Esta novela aumenta o racismo que existe no brasil.

    Não existe um negro que nunca sofreu com racismo.

    Aquele negro ou negra que fala que nunca sofreu racismo ele esta sendo hipócrita consigo mesmo e se fingindo de cego pra si próprio.

    ResponderExcluir
  17. A novela está a mais de 3 meses no ar menosprezando nos negros, nos surrando com palavras, ela esta no ar ainda por culpa de nos negros mesmo, por que somos devagar, temos medo de proclamar, não nos ajuntamos, não buscamos informação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade Rodolfo, como eu disse no post a novela reforça um mal que já foi feito há 20 anos quando a versão mexicana foi exibida. É uma pena que nesse país coisas como essas não sejam levado a sério.
      Obrigada por comentar.

      Excluir
  18. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  19. Você já deve ter ouvido isso, mas é muito bom saber que existem pessoas lutando por uma igualdade e também pelo nosso espaço. Sou jornalista, tenho 23 anos e também já sofri preconceito em função da 'Síndrome do Cirilo'. Não sei como se admite uma chacota tão grande com nós, negros na TV aberta.

    Enfim, eu acho que precisamos continuar lutando (eu estou nessa também), buscando cada vez mais o nosso espaço, que é nosso por direito, não por pena. Eu acredito que a coisa está melhorando, mas ainda falta muito, temos que rejeitar sempre a ideia de embranquecer nossa raça!

    Um beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Kauê, obrigada pelo comentário. Realmente essa tem que ser nossa luta, fortalecer a nossa identidade e lutar pelo nosso espaço de direito.
      Infelizmente o que deveria ser uma novela inocente, não é tão inocente assim quando analisamos.
      Força na jornada
      abraços

      Excluir
  20. Boa. Assisti à novela na época e, apesar da angústia, não conseguia pensar que eu também tinha direito à mais que aquilo. Também fui vítima da síndrome. Levei anos para entender meu lugar e meu valor. Realmente é perigoso.

    Mas também é libertador saber que existem espaços como estes, que vão sendo replicados em outros espaços e ampliando a discussão. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Mabia,
      Obrigada por visitar o blog.
      você não é a única todos nós que assistimos a novela na época fomos de alguma forma influenciados pelo que foi transmitido ali. Seja sofrendo junto com Cirilo ou sentindo vergonha de ser negro, pela humilhação que ele sofria. Acredito que o mesmo esteja acontecendo agora com a nova geração. Programas desse tipo infelizmente cooperam com a manutenção do racismo.
      Quanto aos espaços de debate, você está completamente certa, eles tem que ocorrer em todas as esferas da sociedade, incluindo as redes sociais.
      Esse é o meu ideal com o blog, manter um espaço onde nós possamos debater sobre o racismo que nos aflige.
      Obrigada mais uma vez e se possível dá uma lida nos outros posts.
      Abraços

      Excluir
  21. Daniela,
    Parabéns pelo texto. Assisti Carrossel quando era pequena e honestamente, não tenho lembrança de muitos detalhes. Lembro que adorava me comovia com o Cirilo. Ele era incrivel! Odiava a Maria Joaquina e no dia do carro motorizado fiquei bem abalada. Nunca me situei de forma real no problema denominado Sindrome de Cirilo pois sempre achei bem nítido que o comportamento de Maria Joaquina não só era errado mas também repugnante. Não sei como isso afetou as crianças em especial meninos negros. Uma coisa é certa, lembro-me de uma amiga na época do terceiro ano, em uma escola particular de Salvador, que namorava no colégio um lindo garoto negro da nossa sala. Ela era minha amiga e lembro que um dia perguntei quando ela ia apresentá-lo em casa pois foi quase o ano todo namorando e ela disse que não ia fazer isso. Questionei porquê e na mesma hora ela disse: Meus pais não iam gostar dele. Ele é negro. Isso me marcou muito. Achei aquilo absurdo pois além da postura ser bizarra tinha outro agravante: ela era mulata. Ou seja, a miopia era tamanha que ela nem se enxergava negra também. Hoje conheço crianças que tem um racismo tão aflorado que um deles - negro - chega a chorar quando outros dizem que ele é negro. Mas isso é uma outra longa história....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Dani,
      Obrigada pelo comentário.
      Infelizmente para crianças negras é muito mais fácil se perceber no Cirilo sendo discriminado, do que entender que as atitudes de Maria Joaquina são erradas.
      Essa é uma fase em que as crianças estão em formação e são como uma esponja, absorvem tudo que está a sua volta e se o que eles veem é uma criança igual a elas sendo humilhadas, elas passam a entender que o lugar do negro é o da humilhação.
      O racismo é uma coisa maligna que infelizmente pode se apresentar em qualquer idade, mas quando uma criança negra chega a chorar por conta disso, isso tem muito mais a ver com uma alienação, um problema sério na formação de sua identidade. Ele discrimina o outro, porque discrimina a si mesmo.
      Quanto a homens e mulheres que namoram com negros e negras, mas não tem coragem de levar esse relacionamento para o âmbito familiar, infelizmente ainda é uma realidade nos nossos dias e está diretamente ligado ao fato do corpo negro ser visto como algo bom para o prazer sexual, mas não respeitável o bastante para um compromisso sério.
      Obrigada por participar do debate. Se puder dá uma olhada nos outros textos do blog
      abraços
      Dani

      Excluir
    2. Eu acho errado a Maria Joaquina maltratar o Cirilo pela sua classe e sua cor,mas o Cirilo não ajuda ele enche o saco dela o dia inteiro,não a deixa em paz é como ter alguém te persiguindo e me lembro muito bem que ele forçava ela a gostar dele,se tornando uma pessoa irritante e chata.Por isso não acho que o Cirilo seja tão coitado assim

      Excluir
    3. Olá obrigada por comentar o meu post. Não sei se você deu uma olhada nos outros posts do blog, mas eu escrevo basicamente sobre a questão racial, então na verdade eu não fiz uma crítica contra o enredo da novela, ainda que eu pudesse fazer várias, o que eu tento mostrar aqui é apenas o absurdo de expor um menino ao racismo, mesmo sabendo os danos que isso causa não apenas nele, mas em diversas crianças que se veem refletidas em sua imagem.

      Excluir
  22. Muitas mulheres negras preferem homens brancos e você, homem negro, fica levando patadas.

    ResponderExcluir

  23. Minha opinião é a seguinte: Como criança, estas cenas me irritavam, pois eu pensava: que anta este Cirilo, tem tanta menina legal, e ele vai atrás logo desta. E não toma vergonha na cara de ser tratado mal direto, uma vez tudo bem, mas 100 é demais.
    Hoje, como adulto, acho importante SIM que se mostre como o preconceito ocorre, até mesmo entre crianças. Porém acho que nesta novela, exageraram nisso, eram tantas cenas, que embrulhavam o estômago, lembro que eu mudava de canal e ia assistir outras coisas quando aparecia Cirilo e M. Joaquina.( meu personagem preferido era um que tinha um cachorro, não lembro mais o nome agora, a história dele era legal) 1 ou 2 cenas, acho importante, educativo... 100 cenas, demais.
    Sobre a reação da criança, com certeza concordo que deveria ser outra, TEM quer ser outra. Fui educado desde pequeno a fazer como a minha vó dizia " faça festa pra quem faz festa pra você", ou na linguaguem da molecada de hj " dar moral pra quem te dá moral". Tudo bem que rolava também um preconceito ali, mas se não fosse um questão de cor? se fosse simplesmente uma menina não interessada em um cara, seria certo ainda assim ele ficar se rastejando? Obviamente tem algo de desequilíbrio no comportamento da menina, mas com certeza tem algo de errado no moleque também, agir assim também é desequilíbrio. Tem bilhões de pessoas no mundo, não é saudável nem normal alguém ficar eternamente perseguindo alguém que não dá bola. Ou seja, além desta questão do preconceito, havia este comportamento patológico de ficar eternamente investindo em quem claramente não demonstra interesse.

    ResponderExcluir